LOGIN

Login

Memorizar

       
NEWSLETTER AIM & CTA

Newsletter AIM & CTA

Subscreva-se para ter acesso a Newsletter AIM & CTA.
A+ R A-

EMBAIXADOR DE MARROCOS VISITA CTA

  • Visitas: 241

O Embaixador do Reino de Marrocos em Moçambique, Abdelali Rahali, visitou a CTA nesta Terça-feira, 11 de Julho, onde manteve encontro com o Conselho Directivo. Tratou-se de uma visita de cortesia que serviu para iniciar contactos empresariais com vista a estabelecer relações de negócios entre empresários moçambicanos e marroquinos. 

Abdelali Rahali disse que o encontro foi produtivo e o mesmo tinha em vista manifestar o interesse de Marrocos em alargar as suas relações com Moçambique para o campo económico e empresarial. Destacou a agricultura e o turismo como sendo os sectores que os dois países têm potencial para cooperar.

O Presidente do Pelouro da Indústria e Comércio na CTA, Julião Dimande, referiu que o passo a seguir é a assinatura de um memorando de entendimento entre a CTA e a sua congénere marroquina, onde serão estabelecidos os termos de referência da cooperação.  

As partes manifestaram o interesse de realizar fóruns de negócios entre empresários dos dois países. 

PRÉMIO CTA – AMBIENTE DE NEGÓCIOS REGULAMENTO

  • Visitas: 106

Considerando que se mostra relevante:

 

  1. Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos nas áreas de Economia e de Negócios;

 

  1. Distinguir os melhores trabalhos sobre desenvolvimento do ambiente de Negócios em Moçambique;

 

  1. Promover a criatividade jornalística e incentivar a contínua melhoria da qualidade e profissionalismo no tratamento da informação, contribuindo assim para uma Sociedade mais responsável, informada e participativa.

 

A CTA – Confederação das Associações Económicas de Moçambique e a AJECOM – Associação dos Jornalistas Económicos de Moçambique, criam o Prémio “CTA – Ambiente de Negócios” com objectivo de premiar a excelência na elaboração e publicação do conteúdo jornalístico sobre o desenvolvimento do Ambiente de Negócios em Moçambique e promover melhor o enquadramento do Jornalismo Económico no quadro geral dos produtos jornalísticos sobre Economia e Negócios que contribuam para a melhoria do Ambiente de Negócios.

Para o efeito, é lançado o presente Prémio que se regerá pelas normas seguintes:

 

Duração

O Prémio será atribuído com referência anual, tendo como base os conteúdos veiculados na imprensa escrita, radiofónica e televisiva, sobre matérias atinentes ao desenvolvimento do ambiente de negócios em Moçambique, divulgados no ano precedente ao que a atribuição do prémio disser respeito.

 

 

Áreas de Premiação

 

Anualmente serão atribuídos três prémios monetários, num montante global de 300,000.00 Meticais, distribuídos pelas seguintes áreas:

 

  1. Área de Imprensa Escrita, no valor de 100,000.00 Meticais
  2. Área Radiofónica, no valor de 100,000.00 Meticais
  3. Área Televisiva, no valor de 100,000.00 Meticais

 

 

Elegibilidade das Candidaturas

 

Para a elegibilidade os candidatos deverão:

 

  1. Concorrer com um trabalho original e assinado sobre matéria económica e/ou de negócios que tenha impacto para a melhoria do ambiente de negócios, que tenha sido, publicado:
    1. entre 01.01.2016 a 31.12.2016;
    2. em língua portuguesa;
    3. num órgão de comunicação social nacional público ou privado, de divulgação ou acesso públicos, mesmo que por assinatura;
    4. em formato de texto, rádiofónico ou televisivo.

O autor deve ser jornalista de profissão, fazendo-se a prova através da assinatura do responsável do órgão ao qual está adstrito em lugar apropriado na Ficha de Candidatura.

 

 

Inscrições

 

As candidaturas deverão ser formalizadas nos seguintes termos:

 

  1. Os candidatos deverão inscrever-se em nome próprio ou através do órgão de comunicação social a que pertencem (confirmando a autoria e a data de publicação do trabalho), indicando a área de premiação para que concorrem.
  2. Os candidatos deverão preencher o formulário de candidatura disponível nas instalações da CTA e AJECOM ou solicitá-lo pelo email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. e submetê-lo acompanhado das peças jornalísticas com as quais pretendem concorrer.
  3. As candidaturas deverão ser feitas até ao dia 30 de Agosto de 2017, em envelope fechado, claramente identificado com os dados do autor, das peças concorrentes e toda a documentação necessária, nos termos regulamentares. As candidaturas deverão ser entregues na sede da CTA, na Cidade de Maputo, sita na Avenida Patrice Lumumba No. 927 ou nos Conselhos Empresariais Provinciais da CTA cujos endereços poderão ser solicitados através do email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
  4. Deverão ser entregues, junto com a candidatura, 3 cópias da peça publicada na Imprensa, no programa emitido na Rádio ou Televisão. Quando se trate de peça radiofónica ou televisiva, esta deve ser enviada em CD ou DVD, respectivamente.
  5. Só será aceite um trabalho por cada área a premiar de cada candidato.
  6. Os trabalhos e a documentação submetidos no âmbito do concurso, não serão devolvidos.

 

 

 

Avaliação e Seleção 

 

Os critérios de selecção são os seguintes:

 

  1. Para a avaliação serão critérios ponderadores:
    1. Actualidade e impacto da notícia – 25%
    2. Rigor e profundidade da análise jornalística - 25%
    3. Qualidade jornalística da comunicação - 25%
    4. Originalidade e relevância do tema - 25%
  2. Será seleccionado um trabalho por cada uma das áreas a premiar ao qual será atribuído o respectivo prémio monetário.
  3. O título de vencedor será atribuído ao candidato que, na apreciação do júri, se tenha distinguido como o melhor em cada uma das três áreas.
  4. O Prémio não pode ser atribuído a qualquer elemento do Júri em exercício.
  5. O Prémio não é concedido a título póstumo.

 

 

Do Júri

 

  1. O Júri do Prémio será composto por cinco membros a saber:
    1. Três especialistas, sendo um de Imprensa Escrita, um de Rádio e um de Televisão a indicar pelo Sindicato Nacional de Jornalistas;
    2. Duas individualidades de reconhecido mérito na área jornalística indicadas pela CTA e pela AJECOM, sendo uma delas indicada como Presidente do Júri.
  2. Os membros do Júri abster-se-ão de exercer o seu voto sempre que, no seu exclusivo entendimento, considerem, que por razões de ética e deontologia devam fazê-lo.
  3. O Júri pode pedir informações adicionais aos concorrentes, sempre que julgar necessário.

 

 

Competência do Júri

 

A atribuição ou não do Prémio é da competência do Júri, conforme os critérios anteriormente apresentados, sem prejuízo do disposto no art. 9º do presente regulamento.

 

 

Deliberações do Júri

 

  1. As deliberações do Júri são tomadas por maioria simples dos membros presentes.
  2. O Presidente do Júri tem voto de qualidade.

 

 

Da não premiação

 

Os promotores da iniciativa têm a prerrogativa de não atribuírem um ou todos os prémios inicialmente propostos se considerarem que nenhuma candidatura preenche os requisitos necessários à distinção.

 

10º

 

Anúncio de Resultados

 

A divulgação pública dos galardoados será feita em conjunto pela CTA e AJECOM, no dia 28 de Setembro de 2017, em cerimónia própria para o efeito em local a anunciar.

 

11º

 

Divulgação dos Premiados

 

Os promotores do prémio ficam autorizados a divulgar os trabalhos nomeados e vencedores nos meios que considerem pertinentes para a promoção da iniciativa.

 

12º

 

Dúvidas e Omissões

 

Quaisquer dúvidas ou omissões emergentes da aplicação ou interpretação do presente Regulamento serão esclarecidas e/ou supridas pela CTA.

 

13º

 

Disposições finais

 

  1. Os autores dos trabalhos inscritos autorizam prévia e gratuitamente e, desde já, através do presente regulamento, a CTA ou a AJECOM a utilizar as suas obras através de mecanismos de reprodução, no todo ou em parte, para a publicitação os trabalhos entregues.
  2. A participação no Prémio CTA – Ambiente de Negócios é gratuita e voluntária, pelo que os participantes inscritos declaram-se conscientes dos termos descritos no presente regulamento e concordam, no acto da inscrição, em automaticamente se vincularem ao presente Regulamento.

 

14º

 

Entrada em Vigor

 

Este Regulamento entra em vigor após assinatura pelas partes na sequência da sua aprovação pelos órgãos competentes da CTA e da AJECOM.

 

Maputo, 06 de Julho de 2017

 


Clique aqui para baixar o Formulário de candidatura


 

 

 

Anuncio de Concurso Publico 006

  • Visitas: 122

CONCURSO PÚBLICO Nº 006/CTA/2017

 CONTRATAÇÃO DE GESTORES PROVINCIAIS DOS CONSELHOS EMPRESARIAIS PROVINCIAIS (CEP´s)

PARA MANICA E ZAMBÉZIA

A-            INTRODUÇÃO

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique – CTA pretende contratar dois Gestores Provinciais, um para o CEP de Manica e outro para o CEP da Zambézia. Os interessados e que preenchem os requisitos dos presentes termos de referência deverão submeter as suas candidaturas até as 17h00 do dia 14 de Julho de 2017, na sede da CTA sita na Avenida Patrice Lumumba, nr 927, Maputo ou através do e-mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

B-        Atribuições do Gestor do CEP

Constituem atribuições do Gestor do CEP:

  • Liderar a gestão do Diálogo Público-Privado Provincial (DPPP), Desenvolvimento Associativo e apoio aos membros, administração e gestão financeira ao nível do CEP;
  • Coordenar a criação de grupos de trabalho dos CEPs;
  • Coordenar o processo de elaboração e aprovação da agenda do DPPP e assegurar a sua implementação;
  • Elaboração de planos anuais e orçamento do CEP e assegurar a sua adequada implementação e monitoria;
  • Direccionar, coordenar e planear os serviços essências de apoio aos membros e empresas a nível da província;
  • Gestão, liderança e assegurar o alcance dos objectivos da CTA na província
  • Coordenar e gerir o pessoal e recursos afecto no CEP bem assim como os grupos de trabalho constituídos no âmbito do DPPP
  • Responder adequadamente a situações de emergência ou problemas urgentes que possam surgir e assumir as suas consequências
  • Desenvolver, gerir e implementar um sistema de monitoria das actividades do CEP;
  • Fazer advocacia e lobby para a melhoria do ambiente de negócios na província
  • Assegurar a comunicação efectiva com os membros da CTA na província, CEP e CTA-Sede.
  • Receber, mobilizar e gerir com profissionalismo fundos de acordo com procedimentos da CTA e de doadores;
  • Assegurar um bom ambiente de trabalho entre CEP, Governo e Parceiros ao nível da província;
  • Manter uma base de dados de associações, empresas e sector público que trabalham com a CTA na província;
  • Fazer apresentações e participar em debates sobre assuntos de interesse aos negócios.
    • Disponibilidade imediata
    • Nacionalidade moçambicana;
    • Formação Superior em Gestão, Economia, Economia Agrário, Direito ou areas afins.
    • Possuir no mínimo 5 anos de experiência comprovada de desempenho de cargo de gestão ou chefia em instituições públicas ou privadas
    • Mais de 5 anos de experiência profissional  em trabalho com o sector privado e/ou público e Desenvolvimento Associativo Empresarial;
    • Experiência de trabalho e de relacionamento com entidades governamentais e organizações internacionais;
    • Fluência nas línguas portuguesa e conhecimentos da língua Inglesa e outras, na fala e na escrita.
    • Nível excelente de organização e comunicação interpessoal;
    • Bons conhecimentos do uso do computador em ambientes de Microsoft Word e Excel.
    • Carta de motivação dirigido ao Director Executivo
    • Cópia de bilhete de identidade (BI)
    • Cópia certificado de habilitações
    • Curriculum Vitae e três referências profissionais

.No exercício das suas funções o Gestor do CEP  reporta  a:

1)         Presidente do CEP, para questões carácter político-deliberativo e

2)         Director Executivo da CTA, para as questões operacionais e administrativas

C-        Local de trabalho

O Gestor do CEP é contratado em regime de exclusividade e prestará trabalho nas instalações do CEP a nivel Provincial e/ou noutras por esta indicadas, o que inclui deslocações para dentro e fora do país.

D-        Requisitos

E - Outras informações:

Todos os concorrentes deverão indicar claramente a Província para a qual concorre. A CTA não garante nenhum pagamento de alojamento para os candidatos a ser apurados para fora dos seus habituais lugares de residência. A CTA não assumirá o pagamento de nenhum custo associado a participação dos candidatos apurados no processo de entrevista. Apenas candidatos pré-seleccionados serão contactados.

Maputo, 28 de Junho de 2017

Anuncio de Concurso Publico 005

  • Visitas: 124

CONCURSO PÚBLICO Nº 005 REV/CTA/2017

TERMOS DE REFERÊNCIA DO GESTOR DOS ESTUDOS E ANÁLISE ECONÓMICA DA CTA

A-   INTRODUÇÃO

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique – CTA pretende contratar um Gestor da Unidade de Estudos e Análise Económica (UEAE) que estará baseado na Cidade de Maputo. Os interessados e que preenchem os requisitos dos presentes termos de referência, deverão submeter as suas candidaturas até as 17h00 do dia 14 de Julho de 2017, na sede da CTA sita na Avenida Patrice Lumumba, nº 927, Maputo.

B-        Atribuições do Gestor da UEAE

Compete em particular ao Gestor da UEAE da CTA:

  • Realizar estudos económicos, pesquisas e análise que constituem a base para informar o Diálogo Público-Privado;
  • Prover aos membros de informação útil para os negócios;
  • Monitorar a evolução/mudança do ambiente de negócios (brenchmark);
  • Criar consciência e influenciar a opinião dos membros e do público sobre assuntos do sector privado para uma melhor compreensão da economia do mercado;
  • Apoiar e responder às necessidades dos membros da CTA, dos Mecanismos Consultivos, incluindo os Pelouros Sectoriais e Transversais, as reuniões trimestrais de consulta ministerial, o Conselho de Monitoria do Ambiente de Negócios e a Conferência Anual do Sector Privado em pesquisas e análises económicas, de modo a contribuir para a criação de um melhor ambiente de negócios, para o desenvolvimento do sector privado e a promoção de melhores negócios;
  • Divulgar e influenciar opiniões dos funcionários e responsáveis da administração pública em assuntos relacionados com o sector privado de modo a melhorar a compreensão da economia de mercado;
  • Publicar artigos na imprensa e editoras especializadas e promover cursos e seminários sobre os assuntos da agenda geral de políticas económicas orientadas para o desenvolvimento do sector privado.
  • Elaborar pareceres e documentos sobre a posição da CTA relativa as matérias da agenda de reformas em discussão com o Governo para ajudar a melhorar a compreensão, consciência e opinião sobre diferentes assuntos.

C-        Duração e local de trabalho

O Gestor da UEAE é contratado a tempo inteiro e em regime de exclusividade e prestará trabalho nas instalações da CTA e/ou noutras por esta indicadas, o que inclui deslocações para dentro e fora do país.

O gestor da UEAE deverá ter a capacidade de trabalhar sobre pressão e reporta em primeira linha ao Director Executivo da CTA

D-        Requisitos

  • Disponibilidade imediata
  • Nacionalidade moçambicana;
  • Formação Superior e experiência relevante de trabalho com o Sector Privado (políticas económicas sectoriais), governo, parceiros de cooperação e/ou outras organizações internacionais.
  • Capacidade de comunicação e boas relações interpessoais (em português e Inglês).
  • Mais de 5 anos de experiência profissional em trabalho com o sector privado e/ou público;
  • Experiência de trabalho e de relacionamento com entidades governamentais e organizações internacionais;
  • Fluência nas línguas portuguesa e conhecimentos da língua Inglesa e outras, na fala e na escrita.
  • Nível excelente de organização e comunicação interpessoal;
  • Bons conhecimentos do uso do computador em ambientes de Microsoft Word e Excel.

LANÇAMENTO DO FUNDO DE APOIO ASSOCIATIVO: Presidente da CTA insta associações a organizarem-se

  • Visitas: 199

O Presidente da CTA, Agostinho Vuma, instou as associações económicas a organizarem-se e filiarem-se à CTA por forma a beneficiarem do Fundo de Apoio Associativo lançado na última Quinta-feira, 29 de Julho, na Cidade de Pemba, Cabo Delgado. Trata-se de uma inicitiva da CTA que se enquadra no seu programa de reforço da capacidade das Associações Económicas ao nível nacional, PACI, desenvolvido em parceria com a USAID.

Falando na cerimónia de lançamento do Fundo de Apoio Associativo (CTA Grants Program), o Presidente da CTAaconselhou as associações a regularizarem a sua condição jurídica e de filiação para que possam melhor reunir os requisitos para aceder a este Fundo em prol do desenvolvimento empresarial nacional.

Explicou que, o Fundo visa, essencialmente, melhorar e consolidar o papel das Associações Económicas nas várias plataformas de discussão e promoção do ambiente de negócios, através de lobby, advocacia e da prestação de serviços de valor acrescentado para os seus membros, com foco no crescimento empresarial acelerado e equilibrado.

Estimado em 400.000 dólares norte-americanos (cerca de 25 milhões de meticais) o Fundo visa, em primeiro lugar, prestar suporte material e técnico às organizações empresariais do Sector Privado (Associações e Conselhos Empresariais) que numa base competitiva apresentem projectos, com a duração máxima de 12 meses e orçamentos equivalentes à 20.000 dólares para as Associações, e 30.000 dólares para os CEP’s.